Como muitas passagens o sublinham, os milagres de Jesus ensinam e vêm atestar a origem divina da pregação de Cristo ou dos apóstolos. Há, portanto, na Bíblia, uma ligação especial entre a palavra de Deus e os milagres. Encontramos isso já no Antigo Testamento: sinais e maravilhas acompanham a revelação da Lei no tempo de Moisés; milagres também acompanham o ministério de certos profetas como Elias ou Eliseu. 

É o mesmo no Novo Testamento, os “sinais e maravilhas” realizados por Jesus ou pelos apóstolos vêm para atestar a Palavra de Deus. A Palavra se fez carne em Jesus Cristo. E a Palavra pregada pelos apóstolos, isto é, as Boas Novas de Jesus Cristo.

Como Hebreus 2:4 diz, por milagres, sinais e maravilhas, Deus vem “testemunhar” a mensagem da salvação em Jesus Cristo.

O que os milagres de Jesus ensinam a você

Outro aspecto do milagre como “sinal” é que ele sinaliza o Reino de Deus. Assim, nos Evangelhos, a proclamação do Reino de Deus é acompanhada de milagres.

Para compreender plenamente o valor do milagre como “sinal” do Reino de Deus, é preciso ter em mente que o Novo Testamento apresenta o Reino de Deus como uma realidade presente e uma realidade futura. Em Jesus Cristo, o Reino de Deus foi estabelecido. 

No entanto, o Reino de Cristo não é deste mundo, mas do mundo vindouro. O Reino é tanto uma realidade presente quanto uma realidade futura. Se colocarmos nossa fé em Jesus Cristo, já somos cidadãos do Reino de Deus. No entanto, ainda não estamos colhendo todos os benefícios de nossa cidadania. Somos salvos, mas ainda não experimentamos todos os benefícios da salvação.

E este é particularmente o caso da saúde perfeita ou da ausência de sofrimento que experimentaremos apenas na nova criação. Nisto, a cura milagrosa é como um sinal desta dimensão de salvação que nos espera. Da mesma forma, ainda não vivemos em um mundo onde Satanás não tem mais influência. 

Nisto, a libertação milagrosa é um sinal da vitória de Cristo sobre Satanás, que será plenamente manifestada no fim dos tempos. Da mesma forma, ainda não vivemos em um mundo onde a fome e a pobreza não existam. Assim, multiplicando os pães ou transformando água em vinho, Jesus nos dá um vislumbre do banquete escatológico, manifestação de uma nova criação marcada pela abundância.

Não surpreende que estes sinais acompanhem particularmente o anúncio da Boa Nova da salvação. Milagres são sinais da capacidade de Deus de realizar a salvação prometida em Jesus Cristo.

Mas vamos ter em mente que estes são apenas sinais do Reino vindouro. É importante não confundir os tempos: milagres não são normalidade no mundo presente (senão, não seriam mais “milagres”) , são sinal do que será normalidade no mundo vindouro.

A fé é necessária para que Deus faça milagres?

Alguns textos evangélicos parecem indicar que, se há poucos milagres, é por causa da incredulidade. Quando Jesus visita a cidade onde cresceu, Nazaré, não faz muitos milagres. 

Mateus 13,58 explica assim: “Ele não fez muitos milagres aqui por causa da incredulidade deles  ” (cf. Mc 6,6 ). Em outro episódio, os discípulos são mostrados como incapazes de curar uma criança com um demônio. E quando os discípulos perguntam a Jesus por que não conseguiram expulsar o demônio (Mt 17.14-21), ele responde: “É por causa da sua pouca fé” (Mt 17.20).

Parece-me que não se pode descartar o caráter questionador dessas afirmações de Jesus. Essas afirmações estão aí para nos fazer refletir sobre nossa fé. Como vimos, os milagres são um sinal da capacidade de Deus para realizar sua salvação: ele é um Deus todo-poderoso para curar, libertar, restaurar e salvar. 

A salvação realizada em Jesus Cristo é muito maior do que a cura de um cego ou a libertação de um endemoninhado. O fato de os discípulos não terem fé para um simples milagre sublinha a pequenez de sua fé.

A ausência de fé

Por Mateus 13:58, “Jesus não fez muitos milagres neste lugar por causa da ‘ausência’ de sua fé ”: essas pessoas se recusaram a reconhecer em Jesus (eles cresceram com ele) o Messias; ele era, segundo eles, um homem como os outros. Esta ausência de fé é diferente da dúvida que pode ser misturada com a confiança em Deus (cf. Marcos 9:23-25).

O Senhor não intervém, quando solicitado, quando deliberadamente nos recusamos a acreditar que ele é Deus.